8.2.10

Xamanismo na Prática 00006 - A Estrutura Interna do Tai Chi  

0 x23 comentários


Existem inúmeras escolas de Tai Chi Chuan e de Tai Chi Chi Kung no ocidente. Os estilos e formas variam. Porém, em nenhuma destas escolas, os conhecimentos da estrutura interna ou Chi Kung interno é ensinado. Temos escolas já trabalhando com o Tai Chi Chi Kung respiratório, mas os segredos da energia e de sua administração vão bem além de um trabalho realizado na respiração, e requerem conhecimentos de como transformar a energia negativa em positiva e como atingir a longevidade e a saúde administrando essa energia multiplicada.

Um dos motivos da ausência destas informações nos cursos de Tai Chi Chuan está nas diferenças de didática e de pensamentos do ocidente/oriente. O pensamento chinês não é dicotomizado como o nosso, e a parte empírica e experimental é unicamente valorizada. Para o ocidental, com uma mente racional sofisticada, e um emocional profundamente desequilibrado, esta lacuna de explicações sobre as bases energéticas da técnica torna difícil a compreensão dos movimentos internos energéticos e de como realiza-los. Falta o passo a passo, ensinado com uma didática que se adeque a nosso modelo de conhecimento, que nos ensine o que fazer internamente para sentirmos o movimento da energia.


Outro fato importante de se pontuar é que, mesmo na China moderna, poucas escolas ensinam o verdadeiro Tai Chi. A maioria se limita a ensinar o balé externo e nada sobre a técnica energética eficiente que pode mudar a vida do praticante. Desconhecendo este fato, muitos ocidentais erroneamente acreditam que, se o professor é chinês, é um bom professor. Pensa também que pode encontrar algum mestre na China que lhes ensine esta estrutura interna, o que pode acontecer ou não.

Felizmente, as posturas milenares e a forma do Tai Chi por si só trazem benefícios bem mais lentos, bem menores, mas sem duvida alguma as pessoas que o praticam se beneficiam de alguma forma.
A estrutura interna do Tai Chi tem como base filosófica o I Ching e, como base técnica os exercícios da Alquimia Interna Taoista, que ensinam como usar os músculos sutis internos para administrar as energias Yin e Yang do corpo. Mantak Chia foi o primeiro mestre a sistematizar essas técnicas em uma linguagem compreensível a um ocidental. Estudou anatomia e escreveu inúmeros livros explicando quais músculos que partes internas do corpo são beneficiada por cada exercício e como devemos praticar internamente o Tai Chi Chuan.

Sua forma de Tai Chi foi bastante simplificada. Segundo ele, os alunos dispersam sua energia quando precisam aprender muitos movimentos. O tempo que deveria ser gasto aprendendo a mover a energia, é tomado para se aprender estes inúmeros movimentos externos. Segundo Mantak Chia, o aluno que compreende e aprende primeiro a mover a energia internamente, aprenderá muito mais facilmente qualquer movimento externo. Pois na verdade estes movimentos foram criados para ajudar a mover esta energia. Fica fácil concluir porque as turmas de Tai Chi começam grandes e terminam com alguns poucos que realmente se dedicam durante décadas para então chegar a mover a energia o que dificilmente vem a acontecer. Muitos professores de Tai Chi, com 30 anos de experiência que aparecem nos meus cursos, não sabem abrir os canais de circulação de energia de seus alunos e nem sabem para onde mover as energias multiplicadas pela técnica.

Que informações preciosas são estas e como aprender a estrutura interna do Tai Chi?
Precisamos seguir certas fórmulas milenares que vão criar esta estrutura interna naturalmente. Precisamos compreender que tipo de energia é esta e o que a faz mover-se e multiplicar-se dentro de nós.

O I Ching nos ensina que tudo no universo é energia e números. A energia é regulada pelo número, daí todos os movimentos do Tai Chi serem realizados dentro de um numero especifico. Mas que tipo de energia é esta?

Temos três tipos básicos de energia de onde todos os infinitos tipos surgem. A energia Jing Original, que é a energia primordial que vem da terra e recebemos de nossos pais entra pelo ponto R1, localizado na sola dos pés. Essa energia quando recuperada e transformada em chi, cria sensação de que temos uma bola dentro do ventre. Esta bola é chamada pelos praticantes de Tai Chi de bola de Chi. Ela é sensorial e bem real. Muitos professores de Tai Chi que tomam meus cursos se surpreendem quando finalmente conseguem realmente sentir esta bola de energia dentro de seu corpo.

O outro tipo de energia é a Chi, a energia vital mais conhecida do grande público. É a energia do plano humano e cósmico. A energia que chamamos de VIDA, é dourada, morna e entra pela glândula pituitária, localizada entre as sobrancelhas, conhecida como o Terceiro Olho. Essa energia para ser multiplicada, precisa de um trabalho de transformação das emoções negativas em energia positiva utilizável.
O terceiro tipo de energia mais sutil, é a energia Shen, a energia celeste espiritual, violeta.
O segredo de todas as praticas chinesas é aprender a mover, transformar e equilibrar nos Tan Tiens estes três tipos de energia.

Não basta trabalhar estas energias e aprender a movê-las se as vias de circulação das mesmas estão bloqueadas. Precisamos abrir estas vias; a órbita microcósmica, o canal regulador, as 3 rotas principais, os 8 vasos maravilhosos para que possamos realmente operar essas energias dentro de nós.

A postura chamada de Abraçando a Arvore é uma das 8 posturas que abrem estes canais. Infelizmente os praticantes do Tai Chi também desconhecem pequenos detalhes internos que tornam esta postura eficiente:
a) a torção sutil do calcanhar
b) o movimento em espiral do antebraço e das mãos
c) o alongamento dos tendões quando aliado ao enraizamento com a energia da terra criando uma força descomunal no praticante
d) a pressão interna do Chi conseguida pela respiração correta que propicia a criação de um campo de força conhecido como o Chi Kung da Camisa de Ferro tornando o corpo invulnerável a doenças, agressões verbais ou ataques vindo de fora.
e) a flexibilização do diafragma pélvico e sua utilização para gerar um poder de sucção interno, que literalmente suga a energia e a puxa para cima.
f) A técnica de como usar os músculos Chi internos ou pubo-cocigenos para multiplicar os níveis internos de energia, e seu uso como uma comporta para direcionar a energia.

Tudo isto são conhecimentos imprescindíveis para aqueles que querem ser eficientes na arte do Tai Chi Chuan.

Sem conhecer esta estrutura interna, o Tai Chi pode ser belo, pode até ser eficiente, mas quando temos esta estrutura, 20 ou 30 anos de pratica podem se transformar em apenas alguns meses de treinamento para se atingir eficiência nesta técnica milenar chinesa.


Revelada ao Ocidente por Mantak Chia
Autora: Ely Britto
Instrutora de Alquimia Interna Taoista
Credenciada na Tailândia por Mantak Chia

Links para esta postagem

Related Posts with Thumbnails