14.5.09
0 x23 comentários



gentilmente malocado daqui.

13.5.09

ANAGRAMMA: GAHINNEVERAHTUNIN ZEHGESSURKLACH ZUNNUS.  

0 x23 comentários

"O caminho da realidade não leva ao futuro, mas além do tempo e do espaço. Quando se compreende e realiza isso, dualidades ganham uma perspectiva diferente.
Vida e Morte, tempo e espaço não cessam de existir, mas a existência em sí se torna uma miragem." J G Bennett

2.5.09

Neurogênese, Estresse, Depressão e AntiDepressivos  

2 x23 comentários


Até meados do século 20 acreditava-se que o número de neurônios era fixado no nascimento e permanecia estático durante toda a vida, entretanto, graças às pesquisas na área psiconeurológica sabe-se hoje que novos neurônios continuam sendo gerados no cérebro. E o mais impressionante é que diversos fatores ambientais, entre eles o estresse, influenciam na reprodução dessas células nervosas.

Durante décadas a ciência discutiu, sem chegar a conclusão alguma, a importância do ambiente e/ou da constituição na causa dos transtornos emocionais. O bom senso recomendava uma visão organodinâmica para esta questão, atribuindo às vivências e ao orgânico o desenvolvimento dos transtornos psíquicos e de alterações emocionais.

As pesquisas sobre as influências do ambiente na reprodução de novos neurônios e na estrutura cerebral (plasticidade) podem representar uma luz no fim do túnel; Nossas vivências influenciam na microanatomia, na estrutura e na função de nosso cérebro.

Na prática, isso quer dizer que o estresse prolongado, as tensões crônicas, teoricuzisse, acessos de raiva contida e de ansiedade e etc modificam para pior a estrutura cerebral. Enquanto meditação, pranayma, inteligência emocional, paudurescência, estar de bem com a vida, ser feliz, transar bastante e etc modificam para melhor.


Não nos aprofundaremos nos elementos estimulantes à neurogêne por isso já ter sido feito nessa postagem. Sobre os inibidores e suas áreas de atuação:

O hipocampo anteriormente descrito como "aquela belíssima estrutura encefálica à procura de uma função", já tem muitas funções neurais atribuídas a ele. Seja qual for sua "função", um grande número de evidências farmacológicas, morfológicas, eletrofisiológicas e moleculares mostra que o hipocampo é alterado pela exposição ao estresse significativo e parece ter um papel importante nos efeitos dos tratamentos antidepressivos.

Segundo estudo bem elaborado por Lupien e col., a atrofia do hipocampo observada na depressão seria decorrente duma neurotoxicidade causada pela liberação excessiva do cortisol pelas glândulas supra-renais durante o estresse. Coerentemente, está cada vez mais evidente que os antidepressivos podem prevenir a atrofia do hipocampo, bem como aumentar a neurogênese, principalmente se seu uso for crônico.

Três anos mais tarde, completando essa linha de pensamento, o mesmo grupo de pesquisadores relatou que a atrofia hipocampal presente nos pacientes com depressão se relaciona mais com a duração da doença do que com a idade dos pacientes (van Riedel, 2003).

Até o momento, os resultados das pesquisas são sugestivos de forte associação entre a diminuição de neurogênese e insalubridade emocional. Pode-se ainda cogitar sobre a diminuição da neurogênese preceder a depressão, aumentando a vulnerabilidade da pessoa às vivências estressoras ou mesmo modificando a capacidade adaptativa da pessoa ao ambiente (Scorza e colab., 2005). Por outro lado, esses estudos sobre neurogênese não invalidam outros fatores, como por exemplo, a genética, os neurotransmissores, hormônios, estressores psicossociais e outros.



Referências Externas
.Ballone GJ - Estresse e Alterações Cerebrais - in. PsiqWeb, Internet, disponível em
www.psiqweb.med.br , revisto em 2009.
.Czeh B, Michaelis T, Watanabe T, Frahm J, de Biurrun G, Van Kampen M, et al. Stress-induced changes in cerebral metabolites, hippocampal volume, and cell proliferation are prevented by antidepressant treatment with tianeptine. Proc Natl Acad Sci USA. 2001;98(22):12796-801.

.Eriksson PS, Perfilieva E, Bjork-Eriksson T, Alborn AM, Nordborg C, Peterson DA, et al. Neurogenesis in the adult human hippocampus. Nature Med. 1998;4(11):1313-7.
.Gould E, Tanapat P, McEwen BS, Flugge G, Fuchs E. Proliferation of granule cells precursors in the dentate gyrus of adult monkeys is diminished by stress. Proc Natl Acad Sci USA. 1998;95(6):3168-71.

.Joca SRL, Padovan CM, Guimarães FS - Estresse, depressão e hipocampo, Rev. Bras. Psiquiatr. vol.25 suppl.2 São Paulo Dec. 2003

.Lupien SJ, De Leon M, De Santi S, Convit A, Tarshish C, Nair NPV, Thakur M, McEwen B, Hauger R, Meaney MJ. Cortisol levels during human aging predict hippocampal atrophy and memory deficits. Nature Neurosci 1998;1(1):69-72.

.Malberg JE, Eisch AJ, Nestler EJ, Duman RS. Chronic antidepressant treatment increases neurogenesis in adult rat hippocampus. J Neurosci. 2000;20(24):9104-10.

.Scorza FA, Guerra ABG, Cavalheiro EA, Calil HM - Neurogênese e depressão: etiologia ou nova ilusão?, Rev. Bras. Psiquiatr. vol.27 no.3 São Paulo Sept. 2005

.Sheline YI, Wang PW, Gado MH, Csernansky JG, Vannier MW. Hippocampal atrophy in recurrent major depression. Proc Natl Acad Sci USA. 1996;93(9):3908-13.

Related Posts with Thumbnails